A cobra, o vaga-lume e o ninho de intrigas dentro de uma empresa

Trabalhar com cobra é pior do que pedir as contas e ficar sem sacar o FGTS!

Rebeca é Analista em um escritório de contabilidade de médio porte e mandou uma mensagem, através da minha página no Facebook relatando o que parece ser uma ‘trash’ aventura profissional.

Ela disse que lá no escritório que trabalha as pessoas são desunidas, tem muita fofoca, muita inveja e muito disse-me-disse. Os donos não reconhecem o seu talento, nem seu esforço. Ela se sente como uma bomba prestes a explodir! E pra completar a situação, ela disse que tem uma superior imediata que pega as ideias e propaga como ela, a chefe, tivesse criado… Ou seja, não dá o devido crédito, nem nas coisas mais simples que a Rebeca entrega.

Leia também: Fofoca no trabalho. As três peneiras de Sócrates.

Quando recebi essa mensagem, logo lembrei de uma parábola, de origem popular, cujo o autor eu desconheço, que diz assim:

“Era uma vez uma cobra que perseguia um vagalume, que nada mais fazia na vida do que brilhar. Ele fugia rápido com medo da cobra, por ser feroz e predadora. E a cobra nem pensava em desistir e estava dedicada a comer o vagalume. Até quem um dia já sem forças para lutar, o vagalume parou a cobra e perguntou: ‘Posso te fazer 3 perguntinhas?’ A cobra não entendeu nada, mas pensou ‘Já que vou te comer, pode fazer as 3 perguntas que você quer’.

E o vagalume perguntou para a cobra: ‘Eu pertenço a sua cadeia alimentar? Eu te fiz alguma coisa para você querer me comer? Por que você quer me devorar? A cobra parou um pouquinho, pensou e respondeu: ‘Eu quero te devorar porque eu não suporto ver você brilhar’!

Então, Rebeca foco no que importa. Concentre-se no trabalho e não na cobra. E quando não der mais para segurar essa situação, siga seu rumo para outro lugar. Porque trabalhar com cobra é pior do que pedir as contas e ficar sem sacar o FGTS.

Faça como a Rebeca conte sua história e me adicione no Facebook.

Veja pode se interessar também por estes posts:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.