Motivação por si só não basta. O que importa é a disciplina!

Uma frase muito oportuna para o momento que estamos vivendo é da psicóloga americana Augusta F. Kantra: Disciplina é escolher entre o que você quer agora e o que você mais quer.”

A disciplina, ou a falta dela, é um dos maiores entraves da produtividade. Aquele relatório que a gente deixa pra amanhã, aquele projeto que você posterga para entregar, por exemplo. Até o cumprimento daqueles combinados que você, por volume de trabalho ou mesmo interesse, não faz.

Conheço uma penca de indisciplinados crônicos e a existência deles atravanca o resultado de qualquer empresa, pequena, média ou grande.

Portanto, é comum confundirmos motivação com disciplina. Ou seja: se estamos desmotivados ou desgostosos com o trabalho ou com o chefe, “esquecemos” de fazer algumas coisas, ou vamos empurrando com a barriga.

De modo geral, a motivação é um estado mental ou emocional particular que impulsiona um indivíduo a realizar suas tarefas.

Não só pra mim como pra diversos especialistas, isso está completamente invertido, porque mais importante do que trabalhar motivado, é ter disciplina. É a disciplina que traz recompensas e evolução na carreira ou na empresa. Ser motivado e alegre por si só não é o bastante.

Profissional disciplinado é aquele que separa o funcionamento externo dos sentimentos e mudanças de humor e entrega o que lhe é pedido.

A ausência de disciplina gera uma série de “muletas”, que é como chamo as justificativas para não entrega de alguma demanda. E aja criatividade pra inventar tanta “muleta” assim…

Motivação por si só não basta. O que conta é a disciplina. Você é disciplinado?

Me adicione no Facebook, no Instagram e no Spotify.

#BóraVoar?

Cuidado com as críticas dos papagaios

Lembro bem de uma situação muito curiosa. Eu devia ter uns 15 anos quando uma namoradinha me disse que eu “seria mais bonito se tivesse um nariz mais fino”. Por um tempo aquilo ficou martelando na minha cabeça.  Depois felizmente eu desencanei. Mas não esqueci, tanto que estou aqui compartilhando esta história com você.

Olha, eu sempre acreditei que receber um feedback pode mudar o futuro de nossas carreiras, seja ele positivo ou negativo.

Mas devemos ter um cuidado enorme com as críticas, principalmente aquelas vindas de pessoas que não têm qualquer qualificação para criticar a gente. São na verdade, papagaios. E o mundo está cheio deles!  No caso daquela minha namorada, ela era uma especialista em nariz? Era especializada em design de rosto?

Continuar lendo

As armadilhas que impedem nosso crescimento

Existem dezenas de armadilhas que impedem o nosso crescimento no trabalho, e porque não dizer, na vida também. Hoje eu destaco duas delas, que acabei de presenciar em uma mesma pessoa.

Primeiramente, SER INTOLERANTE OU INFLEXÍVEL é um problemão. O velho e bom jogo de cintura é indispensável no trabalho, principalmente em relação aos colegas, clientes e gestores. Os donos da verdade, geralmente, têm vida curta nas empresas. São os relacionamentos e as atitudes que impulsionam ou sabotam as carreiras.

Outro comportamento que presenciei na mesma pessoa é: ficar esperando uma ordem ou orientação para executar suas tarefas. Da mesma forma forma, quando cobrado, o profissional fala  “não fiz por que fulano não me falou que era para fazer” ou qualquer outra maldita afirmação do gênero.

O objetivo de um profissional – independente do cargo, ramo ou empresa que atua – deve ser sempre entregar resultados e jogar para ganhar. E nunca “apenas para cumprir tabela” -, parafraseando o mundo do Futebol – e no caso do trabalho, apenas para cumprir horários.

Em conclusão, você se enxerga nesse texto e sente que precisa de um UP na sua vida comercial?

Conheça o VENDAS DE ALTO IMPACTO!

Todos os detalhes do treinamento “Vendas de Alto Impacto”, que é destinado a empresários, profissionais liberais, representantes comerciais e todo mundo que precisa melhorar resultados de vendas estão aqui.

Aproveite e me adicione no Facebook, no Instagram e no Spotify.

Resumindo… #BóraVoar!

Maneiras para se manter confiante

A palavra “confiança” vem do latim e significa “acreditar plenamente”. Uma pessoa confiante é aquela que acredita na própria capacidade e usa essa força para impulsionar sua vida pessoal e profissional.

Mas tem muita gente que não tem confiança em si próprio e os motivos podem ser muitos, como a crise e a falta de emprego ou a falta de oportunidades de crescimento. Para driblar esse sentimento e se tornar uma pessoa mais segura de si, existem algumas práticas que você pode passar a adotar.

Primeiro, não se decepcione com seus fracassos.

Eles são valiosos no caminho para o sucesso. Meus amigos psicólogos dizem que o fracasso é uma poderosa ferramenta de aprendizagem porque força você até o limite e testa sua perseverança.

Pare para pensar nas pequenas escolhas que você faz diariamente e que deram certo.

Vale pra tudo, até para aquele restaurante novo que você comeu e gostou ou a maneira acertada que você resolveu alguma discussão em casa. No trabalho, se lembre das pequenas conquistas como entregar um relatório no prazo ou não se atrasar para uma reunião. Isso vai servir de combustível para que você se mantenha firme na trilha para sucessos maiores.

Se livre de pensamentos negativos e entenda em quais áreas da sua vida você é mais confiante.

Pode ser que você não fique confortável falando em público, mas que você seja ótimo para falar em reuniões menores. Ninguém é confiante em tudo e quem diz que é com certeza está mentindo…

Pense nisso e me adicione no Facebook e no LinkedIn.

Você é um profissional acomodado?

Com o passar dos anos, existem dois caminhos na vida de um profissional. O primeiro é voltado para o crescimento de sua carreira. É aquele onde a pessoa se dedica para o alcance de seu crescimento, empreendendo todos os esforços para entregar um bom trabalho, independente de horários e sacrifícios.

O segundo caminho atende pelo nome de comodismo (*cruzes*). Ou estagnação, como você preferir. É aquele caminho em que a pessoa simplesmente fica estática, sem apresentar qualquer reação diante dos fatos sejam eles positivos ou negativos. É aquele em que a pessoa só reclama e não faz nada para mudar…

Com o mercado se transformando a cada minuto, o comodismo se transformou em um problema crônico para as carreiras. E quem não acompanha a evolução da espécie e passa a ser um mero figurante corporativo será engolido por alguém mais veloz.

Quer saber se você é um profissional acomodado? Responda estas três questões:

  • Você reclama mais de 2 vezes por semana de sua empresa, do seu patrão ou do seu salário?
  • Reiteradamente você acha que faz demais por sua empresa e não é reconhecido?
  • Você se acha autossuficiente?

Eu entendo o seguinte: quem reclama pelo menos 2 vezes por semana sobre algo que considera ruim na sua empresa, nas ações do chefe, do trabalho ou do ambiente, está se acomodando. É!

Não é errado querer o melhor, e nem se considerar o melhor. Mas ficar anos reclamando de tudo em uma única empresa é sinal de comodismo, pois geralmente a reclamação vêm acompanhada por um parceiro de nome composto chamado “não fazer nada para mudar”.

Não confunda o que estou dizendo: reclamações seguidas por propostas reais de melhoria é algo totalmente diferente…

Voltar para casa todos os dias com a animação da primeira vez é difícil. Mas manter a chama da motivação, da garra e da determinação acesa forja a evolução daquele que vai vencer no mercado de trabalho e trilhar um caminho de sucesso.

Quem quer fazer alguma coisa encontra um meio. Quem não quer fazer nada, inventa um monte de desculpas.

Pense nisso, bota fé e me adicione no Instagram clicando aqui. 

 

Faça parte da solução e não do problema!

Embora não existam pesquisas sobre o assunto, é possível dizer que, em geral, 90% dos funcionários de uma empresa são medianos e somente 10% fazem a diferença.

Ou seja, a quase totalidade cumpre rotinas burocráticas e são cumpridores, quando muito, de suas tarefas, horários e atribuições.

São pessoas que vão para o trabalho com o corpo mas deixam seus corações do lado de fora.

Qual seria o resultado de uma empresa se esta conta fosse invertida, que a grande maioria fizesse a diferença, que atendesse um cliente com vontade de resolver, que se comprometesse de verdade com a qualidade do seu trabalho, que fosse prestativa, que fizesse do seu trabalho muito mais do que uma tarefa?

Se você é gestor ou empresário, desenvolva ações para disseminar a iniciativa de fazer, de ser uma solução e não um problema. Combata o corpo mole com exemplos de gente bem sucedida, com a projeção de onde a empresa estaria se a maioria fosse engajada de verdade.

Tem muito colaborador que acha que fazer o básico é suficiente para a empresa ser competitiva e garantir o seu emprego.

Tremendo ERRO!

Pessoas comprometidas ajudam a empresa a aumentar a receita,  ajudam um colega a resolver algo importante, estão sempre melhorando as atividades que o rodeiam, geram ideias que diminuem custos e reduzem o tempo gasto em uma atividade.

Faça parte da solução e não do problema! 

O que fazer para ter sucesso?

Muita, mas muita gente mesmo, me pergunta o que fazer para ter sucesso na carreira ou na empresa. E eu sempre respondo que não existe uma fórmula, uma receita ou uma mágica.

Em geral, profissionais ou empresários que dão certo são aqueles que executam tudo aquilo que pensam. Sim! São pessoas que entenderam que, tão importante quanto ter uma ideia, é colocá-la em prática. Eles valorizam a execução tanto quanto a geração de uma nova ideia.

Outra coisa: as pessoas mais bem sucedidas que conheço, ao contrário do que a maioria pensa, não são grandes tomadores de risco. O que os incomoda, na verdade, não é perder dinheiro, mas sim perder o bonde e não fazer parte do futuro dos negócios. E isso não quer dizer que eles saem por aí investindo (ou gastando) a torto e a direito!

As pessoas mais bem sucedidas que eu conheço não se incomodam de arriscar algum dinheiro, o que eles não querem é arriscar perder uma boa oportunidade. 

Outra característica muito comum: pessoas bem sucedidas não são lobos solitários. Eles só conseguem chegar a resultados exuberantes porque sabem construir e trabalhar com equipes. E sabem da importância de dividir tarefas e contar com um grupo de pessoas que possa ajudá-los a colocar suas ideias mirabolantes em prática. Será que não tá faltando isso pra você?

É claro que existem muitos outros perfis. Quando o assunto é sucesso, todos tem vez: os conservadores, os inovadores, os modernos, os criativos. A diferença esta também na persistência, no foco e na inovação. Nada além disso.

Em busca da produtividade perdida

Júlia escreve: “ultimamente tenho me sentido muito distraída e desfocada no trabalho. Não tenho entregue minhas tarefas dentro do prazo e nem tenho dado conta de tudo que tenho que fazer. Alguma ideia para que eu volte a ser pelo menos 50% da profissional produtiva que eu era há 1 ou 2 anos atrás?”.

Júlia, este tipo de sentimento tem crescido de forma avassaladora em profissionais dos mais variados tipos de empresas. Talvez pela profusão dos gadgets, talvez pela quantidade de tarefas e informações que crescem a cada instante, talvez pela escravidão tecnológica… Veja minhas ideias para minimizar o seu problema (Continue lendo…).

Possivelmente Júlia está se transformando em uma  distraída compulsiva.

Navegar na internet, respondendo uma mensagem de texto, lembrar de uma tarefa não concluída enquanto você está no meio de uma outra tarefa… Tudo isso te ajuda a desfocar. Não há produtividade que resista a interrupções frequentes. Principalmente quando nós permitimos tais interrupções. Coloque as suas distrações no modo avião, feche-se ao mundo e se concentre por um período de tempo definido até concluir a tarefa ou ao menos uma parte dela.

Provavelmente Júlia deixa o trabalho mais importante para mais tarde.

O ideal é realizar as tarefas mais importantes logo no início de seu expediente, antes que você atinja a fadiga cerebral. Não guarde as suas tarefas mais difíceis ou mais importantes para “mais tarde”.

E como todos, provável que Júlia esteja trabalhando na condição multitarefa, aquela em que a gente tem que fazer de tudo um pouco.

Você pode ate ser bom em varias frentes, mas não quer dizer que será bom para sempre.

Estudos têm mostrado que um profissionais multitarefas reduzem a quantidade de memória de curto prazo. Com o tempo, isso reduz a  quantidade de memória a longo prazo também. Ser Multitarefa faz com que você perca detalhes importantes, e isso, claro nos leva a erros. Minha dica é: ignorar o malabarismo e se concentre em fazer uma coisa de cada vez.

Boa sorte nesta jornada!

Quanto mais eu trabalho mais sorte eu tenho

A cada dia, tenho mais convicção na frase “quando mais eu trabalho mais sorte eu tenho”. Sabe por que? Porque não é sempre que o sucesso vem fácil. Na maior parte das vezes, ele só dá as caras depois de muito esforço e muitas tentativas fracassadas. A regra é bem ilustrada por uma frase de Winston Churchill: o sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder entusiasmo”.

Temos inúmeros exemplos de pessoas que se deram bem na vida – mas não sem antes passar por bons bocados.

A primeira vez que o ator Harisson Ford apareceu no cinema foi para fazer um pequeno papel em “O Ladrão Conquistador”, de 1966. Da estreia, no entanto, não vieram grandes oportunidades para o ator. Com uma esposa e dois filhos para manter, ele largou tudo, em 1970, para se tornar carpinteiro – uma profissão que ele julgava mais estável financeiramente.

Coincidência ou não, Ford começou a construir gabinetes para o cenário de “Loucuras de Verão”, filme dirigido por George Lucas, em 1973. O contato com o diretor lhe rendeu uma participação no longa e, mais para a frente, um importante papel em “Guerra nas Estrelas”. Conhecido também por sua atuação em Indiana Jones e Blade Runner, o artista possui, hoje, dois recordes hollywoodianos no Guinnes Book: o de ator que gerou o maior lucro de bilheteria e o de ator com mais filmes que ultrapassaram a marca de US$ 100 milhões nas bilheterias dos Estados Unidos.

Mas esteja certo: para ser, precisamos muito mais do que estar no lugar certo, na hora certa. Precisamos de dedicação, ousadia e inovação. A sorte favorece a mente bem preparada. 

 

 

Aceita que dói menos…

Aceita que doi menos - Batman - Robin - Diego Maia

Um comportamento maligno no ambiente corporativo é quando o profissional rejeita feedbacks. Ou quando um colega, ou o líder, ou o cliente fala: “Fulano, você precisa melhorar isto ou aquilo”. E o camarada responde: “É. Eu sei”. Mas não age para mudar.

Quando encontro esta situação tenho a maior vontade de perguntar: “Se sabe, por que não faz?

Receber feedbacks é um instrumento valioso para a melhoria de nossa performance. Ele nos permite saber o que ocorreu bem e o que precisa ser melhorado. Sem feedback – ou melhor, sem acatar os feedbacks – desenvolvemos maus hábitos que reduzem tanto a nossa eficácia, quanto a nossa eficiência. 

Você pode se achar inteligente demais, auto-suficiente, que consegue fazer tudo sozinho…. Só não pode achar que sabe de tudo, porque quando isto começa a acontecer, é sinal de que – no fundo, no fundo, não sabe de nada.

Todos nós podemos fazer melhor, e para melhorar precisamos de feedbacks.

Se seu gestor não tem este hábito, pergunte a ele no que você pode melhorar. Este é mais um caminho incrível para o sucesso profissional e pessoal.

 

Encare os problemas como oportunidades

Tem gente que quando erra e é penalizado por seu erro, “cai atirando”, falando mal de tudo e de todos.

Outros se condenam e se penalizam tanto que machucam não apenas a sua alma, mas a sua tão necessária motivação diária.

Outros se vitimizam e por vezes se tornam escravos de sua própria vitimização.

Precisamos entender que ERRO é pra ser cometido e aprendido. E, claro,  não para ser repetido. Precisamos ficar sempre alertas e assumir o compromisso de errar erros novos, conscientes de que erraremos sempre…

Dito isto, reforço: não importa qual seja a situação, identifique os aspectos positivos e de aprendizado e siga em frente.

As pessoas felizes com sua vida e realizadas em seu trabalho vêem tudo como uma oportunidade – para o crescimento, para a mudança, para a inovação. Mesmo no erro, mesmo na cena triste.

É você quem decide: quando há um problema você vê oportunidades e o transforma em vantagens ou continua sendo vítima propagando as mas práticas, condenado a desmotivação.

A gênia Cora Coralina tem uma frase muito adequada para este nosso momento: “Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.

O sucesso é apenas o fracasso virado do avesso

O sucesso é apenas o fracasso virado do avesso

Ouvi de um empresário que me contratou recentemente para ministrar uma palestra em sua convenção de vendas que “o sucesso é apenas o fracasso virado do avesso”.

Ouvi, gostei e concordei com ele.

Leia também: Os três erros empresariais

Quando as coisas dão errado, como às vezes acontece, quando a estrada na qual você caminha com dificuldade parece íngreme demais, quando as circunstâncias o pressionam para baixo, é comum a crença de que desistir é o melhor caminho.

Leia também: Empreendedor precisa ser exemplo

Isto vale tanto para quem montou um negócio ou para a carreira numa empresa.

Quando um empresário ou profissional me escreve relatando se encontrar entre a cruz e a espada – e se você me acompanha por aqui sabe que recebo dezenas de e-mails todos os dias – recomendo sempre descansar se precisa descansar, mas que não desista do sonho, pois a vida é cheia de idas e vindas.

A gente nunca consegue saber quão próximo o sucesso está, até porque a definição de sucesso varia de uma pessoa pra outra. Mas pode estar perto quando parece estar longe ou bem longe quando parece estar perto.

Portanto, fortaleça sua luta quando receber um golpe duro, buscando conhecimentos, abrindo a cabeça, fazendo parcerias, se dedicando mais.

Quando as coisas parecerem piores é que você não deve desistir.

Gostou? Comente no meu Facebook.

Como resolver problemas comportamentais dentro de sua equipe?

Toda empresa precisa de colaboradores interessados e dispostos a dar o melhor de si. No entanto, é preciso que os gestores saibam minimizar os efeitos dos problemas técnicos e comportamentais.

A solução para problema técnico inevitavelmente atende pelo nome de “treinamento técnico” ou “treinamento de produto”. E isto é responsabilidade do gestor.

E os problemas comportamentais? Eis algumas dicas:

1) “Mente vazia é oficina do diabo”, já diziam os antigos. Então, durante o expediente, nada de tempo livre e conversinhas escondidas.

2) Os colaboradores são diferentes. O que impulsiona uma pessoa não necessariamente impulsiona outra. Você, gestor, deve conhecer cada membro da sua equipe, entendendo as necessidades de cada um.

3) Os funcionários precisam de desafios, mas desafios que sejam tangíveis e não impossíveis de serem alcançados. Senão, ao contrário de motivar, você irá desestimular o profissional.

4) Aponte os erros e os pontos positivos do trabalho do colaborador, observando a maneira de falar.

5) Avalie seu funcionário. Sem nenhum feedback ele pode achar que seu trabalho não faz diferença.

Me conte o que mudou em sua empresa depois dessas dicas, através do meu Facebook! 

Faça de hoje um marco positivo na sua história

Quantas vezes você disse a si mesmo que precisa melhorar algo em sua vida, mas acabou não fazendo nada?

Leia também: As crenças limitadoras

Quantas vezes você se viu insatisfeito com seu trabalho, prometeu alterar alguma coisa,  mas não seguiu adiante com sua decisão?

Acontece nas melhores famílias: o desejo de fazer melhorias não dura muito tempo, e o entusiasmo com aquela ideia rapidamente diminui ao ponto de cair no esquecimento.

Leia também: Seja o protagonista de sua vida

Fico me perguntando o que de fato impede as pessoas a colocar em prática as decisões de melhoria de suas vidas. Seria falta de entusiasmo, tempo, motivação, desejo, determinação, disciplina? Ou tudo isso junto?

Empreender as mudanças  que você tanto almeja é possível, mas você tem que fazer um plano, seguir certas estratégias e técnicas, e fazer algumas mudanças internas em seu ponto de vista e a maneira de seu pensamento.

Para resumir, siga estes três passos:

  1. Decida o que você quer melhorar. Seja específico. Sente-se onde você pode estar sozinho e tranqüilo, e escrever uma lista de objetivos. Em seguida, analise o que você escreveu para descobrir se você realmente deseja alcançar os itens da sua lista. Você provavelmente vai descobrir que você realmente não quer conseguir alguns deles. Então, corte o supérfluo.
  2. Em seguida, em outro papel, transcreva os itens deixados em sua lista, os que você realmente deseja alcançar. Anote-os na ordem de sua importância.
  3. Pense em um plano, como você pode torná-los realidade. Seja o mais prático possível, usando o bom senso, intuição, imaginação e criatividade.

A partir daí, tenha a atitude de sair da zona de conforto e colocar em prática. Vale tudo! Só não vale postergar os planos.

Faça de hoje um marco positivo na sua história. O marco da decisão de mudar e de melhorar. Seu futuro agradece. 

Conte o que achou no Facebook!

R.D.Lay contrata o CDPV para potencializar suas vendas

Destacado

Fundada em 1995 pelos visionários irmãos Roberto, Débora e Laila, a R.D.Lay é pioneira na venda de moda feminina por atacado. Com o objetivo de potencializar seus resultados, buscou no mercado um parceiro que pudesse estruturar o desenvolvimento de seu time, e encontrou o CDPV – Centro de Desenvolvimento do Profissional de Vendas.

Desde março/2018, todo o recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento da força de vendas R.D.Lay, composta por mais de 70 profissionais, está sob a direção do CDPV. O PDC R.D.Lay (Programa de Desenvolvimento Comercial), projeto exclusivo do CDPV que envolve treinamento presencial e digital, treina semanalmente as vendedoras, caixas e gerentes de forma altamente inovadora e prática. O conteúdo entrega ferramentas, argumentos e técnicas de forma que os resultados podem ser observados instantaneamente. 

“Esta parceria é uma das mais importantes conquistas do CDPV. Empreenderemos todos os esforços para fazer valer a confiança depositada em nosso trabalho”, afirma Diego Maia, CEO do CDPV.

Quer aumentar as vendas de sua empresa? Agende uma visita ao CDPV e seja recebido pelo próprio Diego Maia! Fale conosco clicando aqui!