1º de outubro: dia do vendedor (pegue aqui seu presente)!

Toda vez que chego num hotel ou pousada, mesmo que já tenha ido lá várias outras vezes, tenho que preencher uma ficha.

Você sabe: esta ficha pede nome, CPF, endereço, pede pra informar se estamos viajando a lazer ou a trabalho e também um campo chamado “profissão”.

Eu poderia colocar qualquer uma das responsabilidades e ocupações que tenho: diretor de empresa, apresentador de rádio, empresário, escritor, palestrante…  mas sempre coloco a profissão que me considero: vendedor.

Não é só da boca pra fora: até nos contratos sociais das empresas que possuo, conta lá: Diego Maia é vendedor. Assim me considero, esta é minha profissão. Vendo serviços, vendo livros, vendo soluções, vendo ideias.

Estou compartilhando isso com você porque amanha, dia 01 de outubro comemoramos o Dia Internacional do Vendedor e ocupo este espaço pra fazer esta homenagem. Continue lendo…

Tem gente que mesmo atuando com venda, quando precisa preencher uma ficha coloca nomes bonitos e pomposos como “executivo de contas”, “consultor”, “especialista em negócios”, ou mesmo aquelas profissões de origem. Outro dia um representante comercial do setor atacadista preencheu uma ficha la no CDPV se auto intitulando “executivo de vendas sênior”. Nada contra, só acho engraçado 🙂 .

Por outro lado, a maioria esmagadora das profissões possui a atividade comercial entranhada. Por exemplo: advogados, no final das contas são vendedores. Massoterapeutas também. Cabeleireiros, idem! Quase todo mundo é vendedor, mesmo não se vendo como tal.

Meu desejo é que esta profissão seja cada vez mais reconhecida e que ocupe o seu devido lugar: vendedores representam quase 30% da força de trabalho brasileira de forma direta. Além disso, é considerada por muitos primeira profissão do mundo.

Se você é vendedor, parabéns! Se não é, parabenize os profissionais que você conhece!

E avisa pra eles que aqui tem um presente especial: um ebook chamado “Os 10 maiores erros do vendedor”. É grátis! Afinal, é mais suave aprender com os erros dos outros do que com os nossos… Para baixar, clique aqui. 

Aproveite e me adicione no Facebook e na SoundCloud. Se você usa iPhone, me adicione gratuitamente no seu serviço de podcasts clicando aqui.

Como treinar equipes

Joana Queiroz trabalha em uma empresa de Petrópolis (Região Serrana do RJ) e acabou de receber uma importante incumbência por parte de seu chefe: desenvolver treinamento para sua equipe de 8 pessoas. Pede dicas e ideias.

Joana,  parece que o empresariado finalmente despertou para necessidade de treinar de forma periódica e consistente sua equipe. Eu e a equipe do CDPV estamos acompanhando isso de perto, aplicando uma quantidade enorme de cursos, palestras e workshops para empresas dos mais diversos ramos e segmentos.

Há alguns aspectos fundamentais que precisam ser observados e quero compartilhá-los com você. Continue lendo…

O primeiro dele, é o levantamento detalhado do que deve ser treinado. É comportamento ou técnica? Seu pessoal precisa de uma injeção de ânimo e conhecimento em doses curtas ou mais ao estilo homeopático, para que no futuro tenham resultados consistentes e duradouros?

Feito isso, localize consultorias e empresas de treinamento que sejam práticos e realmente entendam do assunto e do seu setor de atuação. Treinamento bom e válido é aquele que é conduzido por alguém que saiba aonde o calo aperta. Não se pode dar um exército a alguém que nunca deu um tiro.

Na sequência, é hora do briefing detalhado. É aí que mora o perigo, pois você precisa se certificar de que a consultoria ou empresa de treinamento realmente entendeu o que sua empresa precisa.

E, depois, não largue tudo na não de um fornecedor externo. Treinamentos que funcionam são aqueles que são acompanhados e monitorados por áreas como o RH.

Bom treinamento, Joana! Estou a sua disposição.