Você é um profissional acomodado?

Com o passar dos anos, existem dois caminhos na vida de um profissional. O primeiro é voltado para o crescimento de sua carreira. É aquele onde a pessoa se dedica para o alcance de seu crescimento, empreendendo todos os esforços para entregar um bom trabalho, independente de horários e sacrifícios.

O segundo caminho atende pelo nome de comodismo (*cruzes*). Ou estagnação, como você preferir. É aquele caminho em que a pessoa simplesmente fica estática, sem apresentar qualquer reação diante dos fatos sejam eles positivos ou negativos. É aquele em que a pessoa só reclama e não faz nada para mudar…

Com o mercado se transformando a cada minuto, o comodismo se transformou em um problema crônico para as carreiras. E quem não acompanha a evolução da espécie e passa a ser um mero figurante corporativo será engolido por alguém mais veloz.

Quer saber se você é um profissional acomodado? Responda estas três questões:

  • Você reclama mais de 2 vezes por semana de sua empresa, do seu patrão ou do seu salário?
  • Reiteradamente você acha que faz demais por sua empresa e não é reconhecido?
  • Você se acha autossuficiente?

Eu entendo o seguinte: quem reclama pelo menos 2 vezes por semana sobre algo que considera ruim na sua empresa, nas ações do chefe, do trabalho ou do ambiente, está se acomodando. É!

Não é errado querer o melhor, e nem se considerar o melhor. Mas ficar anos reclamando de tudo em uma única empresa é sinal de comodismo, pois geralmente a reclamação vêm acompanhada por um parceiro de nome composto chamado “não fazer nada para mudar”.

Não confunda o que estou dizendo: reclamações seguidas por propostas reais de melhoria é algo totalmente diferente…

Voltar para casa todos os dias com a animação da primeira vez é difícil. Mas manter a chama da motivação, da garra e da determinação acesa forja a evolução daquele que vai vencer no mercado de trabalho e trilhar um caminho de sucesso.

Quem quer fazer alguma coisa encontra um meio. Quem não quer fazer nada, inventa um monte de desculpas.

Pense nisso, bota fé e me adicione no Instagram clicando aqui. 

 

Eu só fiz o que me mandaram

Se tem algo que afeta o ambiente de trabalho e a produtividade profissional é o fato de buscarmos sempre uma desculpa para as nossas falhas. O fato é que do nosso instinto é dar desculpas. Na história de Adão e Eva, por exemplo, quando Deus chegou ao jardim do Éden e perguntou por que Adão comeu o fruto proibido e Adão respondeu logo que foi a mulher quem deu o fruto a ele.

No dia-a-dia acontece a mesma coisa. Dificilmente as pessoas chamam a responsabilidade para si, sem saber que a cada gesto dessa natureza, cava mais um pouco a derrocada de sua reputação e de sua empregabilidade.

Todos nós estamos sujeitos a errar. Quando isso acontece, assumir a responsabilidade é SEMPRE o melhor caminho, por mais dolorido que seja. Buscar desculpas, inventar histórias para justificar falhas é um ato grave!

Selecionei o Top 10 das desculpas mais utilizadas no ambiente corporativo e que prejudicam tudo e a todos. Confira:

1 – Eu só fiz o que me mandaram;

2 – Eu não sabia disso;

3 – Não recebi o e-mail;

4 – Isso sempre foi feito dessa maneira;

5 – Eu já enviei o e-mail;

6 – Eu fiz a minha parte;

7 – Isso não é minha função;

8 – Já deu meu horário. Estou indo embora;

9 – Esse cliente não é meu;

10 – Esse problema não é meu.

Na hora que surgir o problema e a acusação vier, não devemos ter receio de assumir. Diga: “Recebi o e-mail, mas não puder responder”, “Vi o que estava acontecendo, mas demorei para agir”. É mais honesto com você e com todos os envolvidos.

É como eu sempre digo: Vamos errar sempre, mas que tal tentar erros novos? Tem tanto erro novo dando sopa por aí!

Me adicione no Facebook e no Instagram.

Aproveite para conhecer a Formação LAP  – Líder de Alta Perfomance!

Você é bom de resultados ou bom de desculpas?

Olha, esta afirmação eu sempre faço em minhas palestras e, num primeiro momento, causa choque, num segundo reflexão. Eu entendo que existem dois tipos de profissionais. Os bons de resultados e os bons de desculpas.

Continuar lendo