Como ampliar uma empresa sem dinheiro

Preocupadíssima com o futuro do negócio e seu dinheiro, hoje quem escreve é a Vera Lucia:

Sou sócia de um laboratório de próteses. Estamos com grandes perspectivas de melhorar a produção e o nível de clientes, porem para isto temos que aumentar nossa equipe de funcionários; uma recepcionista (tipo gerente), mais um ceramista, mas não temos dinheiro para assumir os salários no momento, e para evoluir preciso de mais 2 pessoas pelo menos.

O que devo fazer? Pedir dinheiro emprestado no banco? Ou apostar no futuro e contratar os funcionários? E se o dinheiro não der…”

Vera, ser empreendedor, acima de tudo, pressupõe assumir riscos e aceitar a dor, a terrível dor do crescimento.

São tantas decisões!

O mais importante: riscos precisam ser calculados. Por exemplo: Você já colocou no papel quanto precisa vender a mais para pagar esta ampliação ou está fazendo contas de cabeça, como a maioria?

Pelo que parece, você tem uma empresa emergente. E como toda empresa emergente, o foco deve ser ampliar os clientes e reter as pessoas, além de atraí-las.

Além disso, precisa ter um plano real e factível para gerar novos negócios.

  • Quem são os seus prospects?
  • Quais as barreiras de entrada?
  • O que eles buscam em fornecedores como você?
  • Por que um cliente deve fazer negócios com você e não com a concorrência?

Eu sei que você escreveu querendo respostas e eu deixei várias outras perguntas que precisam ser respondidas antes de qualquer decisão.

Mas se você acredita realmente que tem mercado para o seu negócio e já fez todas as análises, bota fé e vai. É melhor se arrepender do que você fez do que se arrepender das coisas que você não fez.

Portanto, se der errado, encare como aprendizado. Vale mais que muita faculdade ou curso.

Me adicione no Facebook, no Instagram e no Spotify.

#BóraVoar

Seja um Líder produtor de estrelas (e não a estrela em si)

Eu já falei sobre as práticas e atitudes que separam de forma significativa um bom líder de um líder ruim e isso tem causado uma certa polêmica. Mas hoje, sem papas na língua vou falar sobre como ser um líder produtor de estrelas, e não a estrela em si!

Continuar lendo

Três perguntas que você deve se fazer todas as manhãs

Antes de começar meu trabalho diário, primeiramente me faço três perguntas. No entanto, as respostas que consigo construir mudam de um dia para o outro; esta tem sido uma ferramenta incrível para superar as barreiras e conquistar. Por isso compartilho contigo esta minha tática pessoal. Confira:

1 – O que precisa ser feito hoje, a fim de alcançar meus objetivos?

Minha proposta é que você identifique suas responsabilidades diárias, tanto as de curto prazo e as de longo prazo e planeje seu dia de acordo com elas. Entender bem a diferença entre tarefas urgentes e importantes é o caminho.

2 – Qual é o meu papel na empresa e como eu posso ampliar minha participação?

Busque entender porque você é importante na sua empresa e como suas contribuições fazem (ou podem fazer) a diferença. Isto lhe permite enxergar claramente a relação de cada esforço ao resultado final da companhia, por mais simples que sejam suas responsabilidades. Isto vale para todos os cargos e perfis, do servente ao presidente. Se você não acredita em seu trabalho e no seu papel dentro da empresa, essa mentalidade negativa vai impulsionar sua produtividade e sua carreira para o buraco.

3 – Tenho domínio sobre as interferências que prejudicam minha produtividade ou as interferências me controlam?

Portanto, repare o quanto as distrações do dia a dia impactam negativamente a sua produtividade. Cada mensagem de Whatsapp lida durante o expediente corrói a sua produtividade. O mesmo vale para aquela expiadela ingênua no Facebook, os cliques contínuos no “enviar e receber” de seu e-mail, aquele papo atravessado com os colegas que nada agregam ao seu propósito…

Leia também: Conheça o treinamento “Vendas de Alto Impacto”

Sugestão para combater estes males:

  • Abra e-mails somente em horas cheias;
  • Whatsapp e Facebook somente na hora de almoço e no final do expediente;
  • Papos somente sobre aquilo que interessa;
  • Cada minuto perdido é um minuto a menos para seu êxito profissional.

Me adicione no Facebook, no Instagram e no Spotify.

Resumindo… #BóraVoar!

Seja um perito: decida ser o melhor

Como tenho te falado estes dias, estou promovendo a “SEMANA DO SUCESSO EM VENDAS” lá no meu perfil do Instagram (siga @dieogmaia_cdpv). É assim: todos os dias desta semana publicarei ideias, cases e técnicas que possam impulsionar os resultados de pessoas e empresas que precisam vender mais e fechar mais negócios.

Na dica de estréia eu falei da importância de ACREDITAR, fervorosamente, no produto, no serviço e na empresa que estamos trabalhando. Sim, porque por mais incrível que possa parecer, tem gente que não acredita, que não compra – metaforicamente falando – os produtos da empresa em que trabalha. E ai não tem jeito: ninguém consegue vender aquilo que não compra.

A segunda ideia que compartilhei lá na minha pagina no Instagram é esta: TRABALHE PARA SER UM PERITO / DECIDA SER O MELHOR. É, eu sei que semana é dedicada a área de vendas, mas este insight vale para todos. Porque não basta saber mais ou menos, não basta ser morno, não basta fazer o básico, não basta ser mediano. Pra atingir o sucesso, você precisa se tornar um ESPECIALISTA naquilo que está fazendo.

  • Cultive o hábito de devorar informações técnicas do que você vende;
  • Siga fornecedores, clientes e também concorrentes nas redes sociais;
  • Estabeleça o compromisso de aprender algo novo todos os dias.

Agindo assim, você será lembrado por seus clientes como alguém realmente conhecedor daquilo que está fazendo, e é esta a grande virada para uma vida repleta de sucessos profissionais.

Decida ser um perito, decida ser um profissional melhor. Nada diferente disso importa.

O cliente primeiro compra a pessoa, só depois compra o produto

Quem escreve hoje é o Alexandre. Ele trabalha em uma empresa muito agressiva em vendas. Lá, ele e os colegas da área comercial são cobrados quase a todo momento pelo sellout do  mix de produtos.

Mas a dificuldade, diz o Alexandre, não é a venda em si pois ele diz que se relaciona muito bem com o mercado.

O  problema está na entrega. Isto sim acaba atrapalhando substancialmente suas vendas. A empresa promete entrega em 72 horas, mas  isso raramente acontece.

A pergunta que ele faz é esta: ‘qual o risco que estou correndo junto aos clientes e como posso mostrar esse problema tão aparente a meus diretores?

Alexandre, como bom profissional de vendas que você aparenta ser, sabe que em primeiro lugar o cliente compra a pessoa, e só depois o produto, a empresa, o negócio.

E sua vigilância deve ser constante para que a reputação que você criou não seja perdida por conta de falhas de outros.

Mas atente para algo muito importante: sei que como todo profissional de vendas você deve receber comissionamento. E, por isso, fará tudo que estiver ao seu alcance e de forma ética para atingir resultados. Mas cuidado com a incrível tentação de prometer algo que você não sabe se poderá cumprir.

Não omita informação e jamais minta. Agindo assim, você conquistará não apenas clientes, mas, sim, fãs fervorosos que confiam naquilo que você propõe.

Quanto a como informar a empresa sobre o fato, pode apostar: 99% dos gestores que conheço gostam de objetividade. Podem ser até prolixos, mas são defensores da rapidez. Vá direto ao ponto com provas, argumentos impressos e análises por escrito, do quanto a falha na logística está prejudicando os negócios da companhia.

Agindo assim, você será visto pela chefia como um profissional que faz mais do que fala, se destacando daqueles colegas ranzinzas que reclamam de tudo que acontece (ou não acontece) na operação.

Pense nisso e me adicione no Instagram clicando aqui. 

Líder nasce pronto?

Frequentemente me perguntam se é possível treinar as pessoas para que sejam líderes eficazes ou se os melhores e verdadeiros líderes já nascem prontos. Este também é um assunto que rende aulas e aulas em faculdades e MBAs e sempre é pauta de conversas em botequins e jantares corporativos.

Mas esta discussão é a menos importante. O que importa mesmo, para quem está na linha de frente contratando, decidindo, dispensando, reportando, emitindo relatórios, atendendo demandas e, acima de tudo, sendo pressionado por resultados, é o que fazer para ser cada vez mais eficiente e viver com mais qualidade.

E para as empresas, o que importa mesmo não é se fulano nasceu líder ou se tornou líder. Mas, sim, ter a certeza de que esta pessoa possui comportamento, habilidades e atitudes indispensáveis para levar um negócio ou uma equipe ao sucesso.

Então, qual é a resposta para a pergunta central?

Existem traços de liderança que são inatos, que vêm com a gente, que estão no nosso DNA. Alguns podem ser desenvolvidos com treinamento, outros com a ajuda da experiência. Mas um líder que não gosta de lidar com pessoas, por exemplo, está no lugar errado! Afinal, nada nas empresas é mais importante que as pessoas.

Ninguém nasce líder. Mas tem uma característica que revela plenamente quem tem mais chances de ser um líder de sucesso: é a postura de eterno aprendiz. Isto mesmo!  Ser um eterno aprendiz classifica muito as pessoas, até porque um líder que acha que já sabe de tudo, no fundo, no fundo, não sabe de nada.

Faça parte da solução e não do problema!

Embora não existam pesquisas sobre o assunto, é possível dizer que, em geral, 90% dos funcionários de uma empresa são medianos e somente 10% fazem a diferença.

Ou seja, a quase totalidade cumpre rotinas burocráticas e são cumpridores, quando muito, de suas tarefas, horários e atribuições.

São pessoas que vão para o trabalho com o corpo mas deixam seus corações do lado de fora.

Qual seria o resultado de uma empresa se esta conta fosse invertida, que a grande maioria fizesse a diferença, que atendesse um cliente com vontade de resolver, que se comprometesse de verdade com a qualidade do seu trabalho, que fosse prestativa, que fizesse do seu trabalho muito mais do que uma tarefa?

Se você é gestor ou empresário, desenvolva ações para disseminar a iniciativa de fazer, de ser uma solução e não um problema. Combata o corpo mole com exemplos de gente bem sucedida, com a projeção de onde a empresa estaria se a maioria fosse engajada de verdade.

Tem muito colaborador que acha que fazer o básico é suficiente para a empresa ser competitiva e garantir o seu emprego.

Tremendo ERRO!

Pessoas comprometidas ajudam a empresa a aumentar a receita,  ajudam um colega a resolver algo importante, estão sempre melhorando as atividades que o rodeiam, geram ideias que diminuem custos e reduzem o tempo gasto em uma atividade.

Faça parte da solução e não do problema! 

O que fazer para ter sucesso?

Muita, mas muita gente mesmo, me pergunta o que fazer para ter sucesso na carreira ou na empresa. E eu sempre respondo que não existe uma fórmula, uma receita ou uma mágica.

Em geral, profissionais ou empresários que dão certo são aqueles que executam tudo aquilo que pensam. Sim! São pessoas que entenderam que, tão importante quanto ter uma ideia, é colocá-la em prática. Eles valorizam a execução tanto quanto a geração de uma nova ideia.

Outra coisa: as pessoas mais bem sucedidas que conheço, ao contrário do que a maioria pensa, não são grandes tomadores de risco. O que os incomoda, na verdade, não é perder dinheiro, mas sim perder o bonde e não fazer parte do futuro dos negócios. E isso não quer dizer que eles saem por aí investindo (ou gastando) a torto e a direito!

As pessoas mais bem sucedidas que eu conheço não se incomodam de arriscar algum dinheiro, o que eles não querem é arriscar perder uma boa oportunidade. 

Outra característica muito comum: pessoas bem sucedidas não são lobos solitários. Eles só conseguem chegar a resultados exuberantes porque sabem construir e trabalhar com equipes. E sabem da importância de dividir tarefas e contar com um grupo de pessoas que possa ajudá-los a colocar suas ideias mirabolantes em prática. Será que não tá faltando isso pra você?

É claro que existem muitos outros perfis. Quando o assunto é sucesso, todos tem vez: os conservadores, os inovadores, os modernos, os criativos. A diferença esta também na persistência, no foco e na inovação. Nada além disso.

Encare os problemas como oportunidades

Tem gente que quando erra e é penalizado por seu erro, “cai atirando”, falando mal de tudo e de todos.

Outros se condenam e se penalizam tanto que machucam não apenas a sua alma, mas a sua tão necessária motivação diária.

Outros se vitimizam e por vezes se tornam escravos de sua própria vitimização.

Precisamos entender que ERRO é pra ser cometido e aprendido. E, claro,  não para ser repetido. Precisamos ficar sempre alertas e assumir o compromisso de errar erros novos, conscientes de que erraremos sempre…

Dito isto, reforço: não importa qual seja a situação, identifique os aspectos positivos e de aprendizado e siga em frente.

As pessoas felizes com sua vida e realizadas em seu trabalho vêem tudo como uma oportunidade – para o crescimento, para a mudança, para a inovação. Mesmo no erro, mesmo na cena triste.

É você quem decide: quando há um problema você vê oportunidades e o transforma em vantagens ou continua sendo vítima propagando as mas práticas, condenado a desmotivação.

A gênia Cora Coralina tem uma frase muito adequada para este nosso momento: “Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.

Como reduzir a rotatividade de funcionários

Como reduzir a rotatividade de funcionários

Guaraci escreveu: “Olá, Diego. Tenho uma pequena empresa com 25 funcionários  e estou passando por um problemão na empresa. Não consigo montar uma equipe consistente.

Leia também: Mais sobre como treinar a equipe

Já tentei de tudo as estou cada vez mais desesperado, sinto que sem gente boa e comprometida posso colocar em risco tudo que construí com muito sacrifício. O que devo fazer?”

Continuar lendo

A motivação diária do profissional de vendas

A motivação diária do profissional de vendas

Gabriel Dantas escreve perguntando:Diego, qual é o segredo da motivação diária para vendas?”

Gabriel, são muitos os caminhos possíveis. E eu gosto muito de me concentrar em quatro eixos. Confira:

Continuar lendo

É melhor ser alegre que ser triste – parte 2

É melhor ser alegre que ser triste

Michael Alcântara mandou um e-mail que me encheu de orgulho. Ele disse:

“Outro dia estava indo em direção ao meu antigo trabalho me perguntando: ‘O que estou fazendo da vida..???’ . Foi quando ouvi você falar, de manhã, na rádio  que é melhor ser alegre que ser triste, que não devemos trabalhar encarando o serviço como um fardo, como algo pesado, triste e cruel (O TEXTO QUE MOTIVOU O MICHAEL A ME ESCREVER ESTÁ AQUI). Te ouvir naquela manha foi um despertar. Deixo bem claro que na antiga empresa não havia nada de errado, apenas eu que tinha mudado e não havia me dado conta ainda. Hoje faço um trabalho que tem muito mais a ver comigo e sou super feliz”.

Pois é Michael: como sempre digo, um dos grandes segredos do sucesso é gostar do que está fazendo, onde está fazendo e com as pessoas que estão ao seu redor, sejam clientes, colegas ou fornecedores.

Como deve ser dura a vida daquelas pessoas que não gostam dos seus trabalhos e neles permanecem por alguns motivos, não necessariamente nesta ordem:

  • Porque tem medo de arriscar;
  • Porque não vai pedir as contas e ficar sem o FGTS;
  • Porque não vai ficar sem o seguro desemprego;
  • Porque os outros (família, amigos, colegas) vão falar que você é doido por ter pedido as contas.

É certo que não existe emprego perfeito e o melhor trabalho do mundo às vezes pode estar onde você está hoje! É tudo uma questão de como enxergamos o dia a dia e encaremos os problemas e dificuldades.

Desde 1888, todos os brasileiros nasceram livres. Passar parte da vida preso em um trabalho que não agrega é jogar contra a si próprio e também contra a empresa, vivendo enclausurado.

Pense nisso e me siga no Facebook e no Twitter

Diego Maia é o principal palestrante da Convenção MedLevensohn

Diego Maia é o principal palestrante da Convenção MedLevensohn

No ano em que comemora 15 anos de atuação, a MedLevensohn, distribuidora especializada em produtos para saúde e bem-estar com atuação nacional, reuniu todo seu time de representantes comerciais e consultores de vendas no Novotel Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, para uma convenção de vendas para lá de especial.

Diego Maia foi o palestrante escolhido para levar conteúdo, motivação e inovação para o time. Numa palestra preparada sob medida para a realidade da companhia, compartilhou ferramentas e mostrou caminhos diferenciados para que a equipe possa ampliar as vendas, massificar linhas de produtos e superar as expectativas dos clientes.

Fundador e Diretor Geral da empresa que comercializa mais de 20 milhões de tiras reagentes para testes de glicemia todos os meses, José Marcos Szuster foi categórico ao encerrar a participação de Diego Maia: “Contratar Diego Maia foi uma excelente escolha; superou, e muito, todas as nossas expectativas”.

Contrate você também uma palestra de Diego Maia para sua convenção de vendas!

Você abraça a empresa ou abraça o salário?

Hoje é dia de responder o e-mail da Elza. Olha só a situação que ela conta…

“Estou com um problema e gostaria de ser ajudada. Eu me sinto muito maltratada na empresa onde trabalho. Sou vendedora de vidros, mas tenho que atender telefone, dar posições sobre entregas e um monte de outras coisas. Frequentemente sou chamada na sala do patrão pra levar bronca e jamais para ser elogiada, pois o lema aqui é ‘se fez certo obrigação, se errou fica complicado’.  Meu chefe chega até ao cúmulo de chamar atenção dos funcionários na frente dos clientes e, claro, fico muito constrangida. Não quero pedir contas e eles não me mandam embora, como devo proceder nesse caso?”

Continuar lendo

Crescer ou não crescer, eis a questão

Crescimento é o que quase todos os proprietários de pequenas empresas querem.

Eu disse “quase todos”.  Crescimento é uma escolha. E tem muito empresário que opta por não crescer – não há qualquer problema em relação a isso. Ou há?

Continuar lendo