Como seu trabalho é classificado pelos colegas e gestores?

equipeImagine você vivenciando esta situação inusitada: numa reunião sem sua presença, seus pares e gestores são convidados a, em apenas uma palavra ou característica, definir sua atuação profissional.

Qual seria a palavra ou característica que estes seus pares e gestores utilizariam para definir você?

Em diversos casos, principalmente em empresas com times mais maduros e com fortes laços emocionais, as pessoas tendem a ser classificadas como:

  • Gente boa;
  • De bom coração;
  • Amigo de todas as horas;
  • Companheiro que sempre contribui com o time;

É comum ter muitas variações deste gênero para definir pessoas.

Mas estas classificações ajudam pouco ou quase nada a empresa a atingir os resultados que precisa. É óbvio que é muito melhor ter gente do bem incompetente do que gente do mal com toda a competência do mundo. Mas não é disso que me refiro.

O centro do comentário de hoje é esse: se seus colegas e chefes tivessem que classificar em uma palavra sua atuação profissional, como classificariam?

Ideal mesmo é ser reconhecido pelo talento, pelo esforço para atingir resultados, pelo profissionalismo, pelo equilíbrio, pela inteligência emocional…

Eu trabalho para ser reconhecido como um profissional realizador e produtivo, que contribui positivamente com a melhoria da performance de pessoas, equipes e empresas.

Uma outra forma de pensar nisso é avaliar: qual o legado que você deixaria na sua atual empresa, caso fosse desligado ou pedisse as contas amanha?

Penso que o profissional completo é aquele que é reconhecido pela atitude, pela determinação em atingir resultados, pelo comprometimento com a causa.

Qual palavra define você? Qual é o legado que você vai deixar aí, na sua empresa?

Essa é pra pensar no dia de hoje. E, principalmente, agir.

Novos Podcasts disponíveis! #diegomaia

Olá! No mês passado, inaugurei dois novos canais de comunicação com você, que busca ideias, ferramentas e novos conceitos para desenvolver o seu negócio, sua carreira e sua equipe.

Se você é usuário de produtos Apple (iPhone ou iPad) pode escutar diariamente (e gratuitamente!) os áudios do meu programa, o ‘Mundo Empresarial’, direto de seu dispositivo. É só seguir este caminho:

Abra o serviço de Podcasts >>> no campo BUSCAR procure por DIEGO MAIA >>> clique em “Assinar Canal”. Pronto! Você poderá ouvir gratuitamente todos os meus comentários que vão ao ar em diversas emissoras de rádio Brasil à fora.

Ainda dentro da plataforma Apple, você pode utilizar este mesmo serviço de PodCasts diretamente no aplicativo iTunes.

Outra alternativa é escutar os áudios através SoundCloud. Você pode fazer isto direto pelo site ou pelo aplicativo disponível para Android e iOS. Lá dentro, é só assinar o canal diegomaia_br.

Logo abaixo você pode escutar alguns comentários, diretamente aqui na página.

Oportunidades mesmo na crise

charge-duke-criseCom o agravamento da crise política no Brasil, vemos todos os dias um filme de terror no noticiário. É medalhão sendo preso, fulano de tal sendo investigado, empresa fechando, shoppings vazios.

A situação é preocupante. Mas mesmo diante de cenários tristes, quem empreende  e quem trabalha não pode embarcar no navio fantasma.

Digo isto porque não podemos permitir que os desmandos, as crises e as brigas políticas ditem o rumo de nossos negócio e de nossas carreiras.

Somos bombardeados por notícias ruins, mas precisamos disseminar as notícias boas junto ao nosso time, junto aos nossos clientes, junto aos nossos fornecedores.

As oportunidades existem e isto não é ficção. É claro que tem gente perdendo, tem gente fechando, tem gente sendo demitida. Mas não sobrevive a empresa e o profissional que passa a maior parte do tempo debatendo derrotas.

Neste momento, precisamos inverter a ordem natural das coisas, mudar o status quo da situação.

Se você trabalha num shopping e o movimento está fraco, menor do que o costume, é seu trabalho ajudar a criar o próprio movimento.

O mesmo vale para varejo como um todo: restaurantes, lojas de rua, salões de beleza!

A pergunta que você deve se fazer todos os dias é: como você, independente de sua função, pode ajudar sua empresa a vender mais mesmo em períodos turbulentos?

Ops, em tempo: a crise é real. É política, é econômica e é de confiança, não foi criada pelos meios de comunicação não…

 

Eduardo Paes, Maricá e os Empreendedores criativos

Todo mundo tá sabendo da opinião do Prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes sobre a cidade de Maricá. A conversa gravada e vazada com o ex-presidente Lula deixou muito claro isso. É óbvio que a população não gostou nadinha da situação, que no mínimo foi infeliz. Tem muita gente reclamando do Prefeito nas redes sociais, nos sites e em todo o estado. Ficou feio pra ele…

Mas o que mais me agrada é a criatividade do empreendedor brasileiro mediante, até mesmos, de casos exóticos como este.

Ao invés de engrossar o coro dos infelizes, a filial da sapataria Sonho dos Pés localizada bem no centro da cidade de Maricá não perdeu tempo e fixou um cartaz, na vitrine a loja, com os dizeres: 

“Temos orgulho de ser Maricá! Toda loja com 10% de desconto. Não é válido para Eduardo Paes”.

MARICA_SONHO DOS PES_EDUARDO PAES_PROMOÇÃO

Não sei como estão indo os resultados da venda, mas a ação viralizou de maneira significativa, gerando uma visibilidade incrível para a loja. E isto por si só, já vale!

Além da repercussão, é louvável a iniciatia destes gestores porque deixa de lado a resignação diante de uma eventual humilhação aquele povo e tira proveito do fato de forma positiva.

Entendo que o caminho é este mesmo! Empreendedores, Gestores e Profissionais de todos os ramos e segmentos não podem deixar que os políticos ditem o clima e os próprios resultados de suas empresas.

É hora de arregaçar as mangas e buscar caminhos – criativos e inovadores – para fazer o negócio acontecer. Pego carona no velho ditado que todo mundo já sabe de cor. Ao invés de ficar chorando, tem muito lenço disponível por aí para ser vendido.

Em tempo: captei esta foto no Facebook. Se você conhece o autor, me manda o nome que publico aqui, dando os devidos créditos. 

3 Perguntas decisivas que você deve se fazer todas as manhãs…

passos-para-comecar-bem-seu-dia3 perguntas decisivas que você deve se fazer todos os dias antes de começar o seu trabalho:

1 – O que precisa ser feito hoje, a fim de alcançar meus objetivos?

Minha proposta é que você identifique suas responsabilidades diárias, tanto as de curto prazo e as de longo prazo, para que planeje seu dia de acordo com elas. Entender bem a diferença entre tarefas urgentes e importantes é o caminho.

2 – Qual é o meu papel na empresa e como eu posso ampliar minha participação?

Busque entender porque você é importante na sua empresa e como suas contribuições fazem a diferença. Isto lhe permite enxergar claramente a relação de cada esforço ao resultado final da companhia, por mais simples que sejam suas responsabilidades. Isto vale para todos os cargos e perfis, do servente ao presidente. Se você não acredita em seu trabalho e no seu papel dentro da empresa, essa mentalidade negativa vai impulsionar sua produtividade e sua carreira para o buraco.

3 – Tenho domínio sobre as interferências que prejudicam minha produtividade ou as interferências me controlam?

Repare o quanto as distrações do dia a dia impactam negativamente a sua produtividade. Cada mensagem de Whatsapp lida durante o expediente corrói a sua produtividade. O mesmo vale para aquela expiadela ingênua no Facebook, os cliques contínuos no “enviar e receber” de seu e-mail, aquele papo atravessado com os colegas que nada agregam ao seu propósito.

Sugestão para combater estes males:

  • abra e-mails somente em horas cheias;
  • Zap e Facebook somente na hora de almoço e no final do expediente;
  • Papos somente sobre aquilo que interessa.

Cuidado com as muletas

muletasVocê que me acompanha, sabe que eu sou um entusiasta e um portador de boas notícias. Sei que isto é baita difícil, mas sempre tento observar a mesma situação por ângulos diferentes.

Num post em minha página no Facebook, estimulava as pessoas a buscar conhecimentos, argumentos, ideias e ferramentas para melhorar seus resultados mesmo em períodos adversos.

Um de meus seguidores comentou assim: “Diego, lamento, mas por enquanto nada disso vai funcionar. Somente com a saída do atual governo é que  voltaremos a normalidade”.

É interessante o quanto a gente, em todas as esferas de nossas vidas, sempre arrumamos muletas pra justificar a nossa própria falta de ação.

Muletas são desculpas e argumentos que nos fazem postergar decisões.

No caso em questão, eu entendo que é justamente no período de menor movimento que devemos afiar nossos machados nos preparando para o retorno da competitividade.

Nas épocas de vagas gordas, as coisas tendem a acontecer até pro mais desqualificado. Mas quem está preparado, com mais ideias, argumentos e ferramentas, chega na frente (nas vacas gordas e magras…), mantém sua empregabilidade, cresce.

Em abril, ministrarei no RJ o Workshop Gestão de Alto Impacto. É um encontro que propõe profundas reflexões e atitudes para quem trabalha liderando pessoas, processos e resultados. É pra gerente, é pra empresário, é para quem quer ser um gestor mais eficiente. As informações estão aqui.

Não vamos deixar o governo, qualquer que ele seja, ditar como será o nosso resultado. A qualificação sempre é o melhor caminho.

 

Parceria entre empresas

parceria“Num cenário cada vez mais competitivo, há espaço para crescimento e aumento de vendas ou devemos reduzir nossas previsões?” Esta pergunta é do Edécio, gestor de uma empresa de serviços digitais.

 O grande problema das crises é a paralisia que ela proporciona nas empresas e pessoas. Afinal, porque investir se não temos ideia de como será o amanhã?

Com algumas ressalvas, é possível afirmar que mesmo com as situações adversas que estamos atravessando, há empresas crescendo e até mesmo muitas empresas vendendo mais do que nas épocas de vacas gordas.

O caminho é buscar algum tipo de diferenciação no valor percebido por seus clientes.

Uma alternativa bacana para isso é estabelecer parcerias com outras empresas, que não competem entre si mas que buscam o mesmo perfil de cliente.

Esses dias conheci uma ação criada pela agência de propaganda AFT Comunicação. Eles pensaram numa aliança muito interessante com diversos parceiros e criaram o site clubedeexperiencias.com.br, um portal de vantagens que oferece produtos e serviços exclusivos aos viajantes. A agência fechou parceria com a cia aérea TAP e com o Ministério de Turismo de Portugal para levar benefícios interessantes para quem viajar para a Terrinha. 

Funciona assim: você faz o seu cadastro no site e escolhe  os  vouchers que quiser (e quantos quiser!) de diversas experiências incríveis em Portugal, que pode ir desde descontos em restaurantes e hotéis, degustação de vinhos, e até bilhetes para atrações turísticas.

A ação incentiva viagens para aquele destino Europeu, oferece vantagens ao cliente TAP e leva clientes aos estabelecimentos locais associados ao clube. E, claro, gera impostos e movimenta a economia, tudo que um Governo pode querer.

Isto é parceria entre empresas!

E você? Que tipo de parceria pode viabilizar com outras empresas para ampliar os negócios, encantar os clientes e vender mais?

Feito é melhor que perfeito

Tem gente que trabalha muito mas produz pouco. Tem gente que trabalha pouco mas produz muito. Qual deles você prefere ser?

Imaginação e IdeiaQuando a gente começa  a sentir que o dia no trabalho não está rendendo, e começamos a ficar muito tempo depois de nosso horário normal para finalizar as tarefas,  é hora de refletir.

Geralmente isto é reflexo da falta de planejamento. E falta de planejamento gera algo que me dá calafrios: o retrabalho; a necessidade de refazer determinada tarefa. A conta é simples: a pessoa gasta no mínimo o dobro do tempo pra entregar. Quando isto acontece, pense: o que você está fazendo de errado?

A Dificuldade em Delegar é uma das causas da baixa produtividade. Steve Jobs foi muito feliz na frase “Concentre-se naquilo em que é bom, delegue todo o resto” . As vezes as pessoas assumem  mais responsabilidades do que podem e acabam prejudicando a qualidade do todo!

Outro fator que reduz a produtividade é o  Perfeccionismo Exagerado. Todos sabem da importância da atenção aos detalhes das tarefas, mas o apego excessivo a itens de baixa complexidade e importância culmina, quase sempre, em resultados aquém do esperado, por você e pelos gestores.

Na matriz do Facebook nos Estados Unidos há uma frase linda e realmente impulsionadora. É assim: “Feito é melhor que perfeito”. Isso quer dizer que os funcionários do Facebook não prestam atenção em detalhes? Com certeza prestam, mas certamente não perdem tempo com inseguranças e coisas desnecessárias.

Pense nisso e me adicione no Facebook e no Twitter.

Quando é hora de um empresário pedir ajuda

empresario _ ajudaEdvan possui uma empresa de pequeno porte no segmento industrial. Ele fabrica produtos que são vendidos em centenas de pontos de venda, possui 70 funcionários e se vê estagnado.  Não acredita ser reflexo da tal da crise, mas acha que  precisa dar um saculejo na empresa e na equipe. Por isso me pergunta em seu extenso e-mail: “quais são os sinais de que uma empresa precisa de uma intervenção?”.

Olha Edvan, são muitos. Mas as respostas das três perguntas que farei agora podem lhe dar uma boa luz.

1 – Você está usando seu próprio dinheiro para sustentar a empresa?

Se você está utilizando suas economias para sustentar o seu negócio ou fazendo uso empréstimos bancários com taxas de juros altíssimas para viabilizar o giro, é um forte sinal de alerta.

2. Você está perdendo receita e lucratividade?

É importante avaliar se é o seu mercado que está em declínio ou se esta queda está acontecendo só com sua empresa. Se for a segunda opção, sim, você precisa de uma interveção rápida.

3. Você está perdendo pessoas importantes?

Se a resposta para estas três perguntas forem positivas, é hora de buscar ajuda, novas ideias, novos métodos. Seja através de consultorias ou fazendo cursos que possam te fornecer ferramentas e ideias para alavancar a gestão.

Quando a equipe está perdida, o técnico é o responsável

equipe motivadaRoberta é o nome fictício de uma gerente de vendas de uma multinacional. Ela escreveu compartilhando o cenário adverso pelo qual está passando.

Ela diz que, por conta da crise, a empresa fez alguns cortes e todos ficaram sobrecarregados. E isso está gerando uma série de sintomas nefastos em sua equipe:

  • Falta comprometimento com o resultado final;
  • as pessoas só agem em prol de seus próprios ganhos;
  • os colaboradores terceirizam desculpas com falhas óbvias demais; e, pra completar…
  • eles criaram o hábito de “ressuscitar os mortos” pelas dificuldades que estão passando. Isto é, responsabilizam os demitidos – que já não podem se defender – pelos problemas que estão vivendo.

Como já não sabe o que fazer, escreveu pedindo ideias.

Roberta, o cenário é triste mesmo e para contribuir, quero que reflita sobre alguns pontos.

Até que ponto, na sua opinião, o gestor é responsável pelo comportamento da equipe?

Eu viajo o Brasil inteiro ministrando palestras e treinamentos para equipes de vendas e de gestão e dirijo um grupo grande de competentes profissionais lá no CDPV e posso assegurar:  o comportamento do líder imediato está ligado de forma quase que carnal com o comportamento do time.

Sei que tem gente que reclama demais mesmo, que não se compromete, que não tá nem aí pro espirito de equipe. E estas pessoas devem ser trocadas rapidamente, mesmo que sejam destaques no time. Já ouviu falar na história do técnico de futebol que cortou seu melhor jogador porque fora do campo ele minava os colegas? Esta situação é mais comum do que muitos imaginam.

Mas mesmo assim insisto: antes de buscar alternativas,  reflita sobre como seu comportamento pode estar influenciando negativamente as pessoas.

Depois, busque ações de relacionamento e incentivo à produtividade. Como você trabalha numa empresa de grande porte, certamente tem bons profissionais de RH para ajudar neste desafio. Traga-os para o game.

Quando a loja fica vazia, o desespero bate

Quando a loja fica vazia, é hora de repensar em tudo. Não pode é ficar parado.

Quando a loja fica vazia, é hora de repensar em tudo. Não pode é ficar parado.

Jennifer escreveu compartilhando sua situação. Há dois meses, abriu uma loja de acessórios em um shopping de pequeno porte e se deparou com um cenário assustador.

As poucas lojas que estavam abertas estão fechando, a praça de alimentação praticamente não existe e não há ofertas de serviços ao consumidor. Na mensagem, relata que o movimento está péssimo e que já não sabe mais que estratégia usar para atrair clientes.

Jennifer possivelmente cometeu um grave erro, muito comum em empreendedores de primeira viagem: abriu um negócio levando em consideração as facilidades e o possível baixo preço da locação e condomínio, esquecendo de fazer uma boa pesquisa prévia sobre fluxo de pessoas, sem conversar com os outros lojistas, sem observar como a vizinhança se comporta com aquele estabelecimento.

Mas agora não é hora de “chorar pelo prejuízo derramado”. É hora de agir, pensar e executar ações que possam reverter o quadro.

1ª ideia: num shopping, uma única andorinha dificilmente conseguirá fazer verão. É hora de ter uma conversa franca com os lojistas que sobraram e com a administração do shopping e pensar em ações de divulgação coletiva.

2ª ideia: estabeleça parcerias concretas com os seus vizinhos. Exemplo: cliente comprou em uma loja, tem um bom desconto na outra! Assim vocês aproveitam os clientes comuns.

3ª ideia: realize promoções atrativas para atrair clientes. Nestas horas, é importante lembrar que “é dando que se recebe”. Todos nós, consumidores, gostamos de ganhar brindes e de ter um bom desconto.

Para melhorar resultados, só com gestores preparados e eficientes

gestao-alto-impacto _cdpv _ diegomaiaO cenário brasileiro não está fácil. Mas mesmo assim, há empresas crescendo, comprando, vendendo, contratando. Será que há algum segredo para manter o ritmo de crescimento mesmo diante de diversos obstáculos?  Como estas empresas conseguem esta façanha?

Diversas variáveis existem, mas as mais relevantes são essas:

 

1 – As empresas que crescem são aquelas que conseguem enxergar (e aproveitar!) oportunidades enquanto a maioria só observa obstáculos.

2 – Para enxergar (e aproveitar!) estas oportunidades as empresas precisam de gestores visionários e preparados para liderar pessoas com foco nos resultados.

Como os líderes de sua empresa estão se preparando para garantir a eficiência?

Dia 14/4/2016 ministrarei no Rio de Janeiro o Workshop “Gestão de Alto Impacto”,  um encontro exclusivo e inédito para supervisores, coordenadores, gerentes, gestores e empresários que querem evoluir e crescer mesmo em contextos adversos. Todas as informações estão aqui.

Nada de teoria! Serão 6 horas dedicadas a  uma profunda movimentação para que todos os colaboradores  – independente de suas funções e por reflexo – ajudem a empresa a prosperar. Participe!