Qual funcionário deve ser promovido ou desligado?

Otávio tem uma empresa com quase 200 funcionários e atua no segmento hospitalar. Ele pensa em fazer uma grande revolução, trocando as pessoas sem comprometimento e apáticas, para dar lugar a talentos que realmente abracem a causa, que se dediquem que ajudem a construir e não a desconstruir.

E me escreveu pedindo dicas sobre como identificar o colaborador que merece ser mantido ou, eventualmente, promovido.

Caro Otávio, tem gestor que avalia o funcionário com os preceitos básicos e burocráticos do trabalho: se são pontuais, se são respeitadores, se não faltam com frequência.

Eu penso que estas três questões isoladas não correspondem a uma avaliação positiva, afinal, é responsabilidade de todo funcionário fazer isso.

Funcionário bom, no meu ponto de vista, é aquele que assume riscos, que é determinado, ambicioso e faz coisas além de seu cargo. E mais:

  • É aquele que ganha a nossa confiança com ética e honestidade, até mesmo nas coisas mais simples da vida.
  • É aquele que está sempre pronto para ajudar, e disposto a aceitar ajuda.
  • É aquele que tira coelhos da cartola e faz acontecer.

É o que eu sempre digo: profissional bom é aquele que arruma meios e formas para fazer o que precisa ser feito. Profissionais medianos e ruins são aqueles que sempre arrumam desculpas para justificar o que não foi feito.

Pense nisso e me adicione no Facebook clicando aqui.

Ser inteligente não é mais suficiente para ser bem sucedido como gestor

Conhecimento e experiência, certamente são pré-requisitos para alguém se tornar gestor de gente, de empresas ou de projetos. Mas, no nosso ritmo acelerado e alucinante, a comunicação, mais do que nunca, é uma força poderosa e decisiva para o sucesso da carreira.

Um profissional repleto de habilidades mas com baixa capacidade de comunicação tem mais dificuldade de prosperar do que um líder com alta capacidade de se comunicar.

Organizações que se comunicam bem são mais eficientes, aproveitam o máximo de cada colaborador e tem moral mais elevado, melhor produtividade.

Muitas são as definições de comunicação. Mas a que mais se encaixa nesta minha abordagem é essa: um líder que se comunica bem é aquele que DELEGA e não DELARGA. É aquele que se certifica que seu subordinado entendeu tudo bem direitinho.

É aquele que acompanha a execução dos projetos e tem paciência elevada para explicar e re-explicar a mesma coisa quantas vezes forem necessárias.

E tem que ser claro e curto: ir direto ao ponto, sem enrolação. Da mesma forma que estou fazendo agora.

“O DIA QUE EU ACHAR QUE COMO PROFISSIONAL EU NÃO TENHO COMO MELHORAR, EU ESTOU MORTO”

Rômulo de Mello Dias (foto), atual CEO da CIELO tem uma frase que representa bem o estilo e o modo de pensar dos profissionais de sucesso. Recentemente ele disse: “O dia que eu achar que como profissional eu não tenho como melhorar, eu estou morto”.

2014 está passando com uma velocidade alucinante, o último trimestre do ano está aí e é chegada a hora de ajustar os planos e aparar as arestas.

O que você fez que não surtiu resultado? Oque você NÃO fez mas deveria ter feito para ter êxito nas suas tarefas?

E aqueles planos de crescimento, de mudança, de realização?

Selecionei 3 ideias para auxiliar você na conquista de seus objetivos profissionais. Vamos a elas:

Vista-se como chefe! Isto mesmo! Não importa se você é auxiliar, assistente ou gerente. Sua imagem deve estar associada ao que você deseja ser, jamais tenha medo de se vestir como se estivesse num cargo acima do seu. Um estudo da Universidade da Califórnia (EUA) revelou que profissionais de melhor aparência ganham, em média, 12% a mais do que os de pior aparência.

Segunda dica: Aprenda a levar bronca.

Ao receber uma crítica, reaja com maturidade, atitude que melhora sua imagem no ambiente profissional. Peça desculpas pelo erro, assuma que vai se esforçar para não cometê-lo mais e… bola para frente! Nada de retomar o tema a toda hora e se martirizar. Ficar de cara emburrada não funciona e não vai surtir efeito (pelo menos positivo) com o chefe.

Terceira dica: Se você não entendeu o que era para fazer, peça mais detalhes.  Cerca de 40% dos erros que acontecem nas empresas ocorrem porque a pessoa não entendeu a tarefa.

E você, no que pode melhorar?

Pense nisso e me adicione no Facebook clicando aqui.

Como se tornar um profissional de vendas que bate metas e entrega resultados?

vendedoraTalvez você saiba que eu sou especialista em vendas. Com muita frequência viajo o Brasil inteiro ministrando palestras e treinamentos para diversos públicos.

Luciano Pereira trabalha no setor comercial e me mandou uma mensagem através do Facebook perguntando o que ele deve fazer para se tornar um profissional melhor e mais completo, já que não existe uma graduação específica neste ramo.

Luciano, assim como você, muita gente me pergunta o que fazer para ser um bom profissional de vendas: e sempre respondo que não existe uma fórmula mágica ou uma receita de bolo.

Vendas é um tema apaixonante e, embora não existe uma faculdade específica para formar um bom vendedor, podemos contar com uma farta literatura. Pesquisei no site da livraria Saraiva pelo termo “vendas” e descobri que eles oferecem mais de 4200 livros sobre o tema (não tenho como negar que estou super feliz pelo fato de um de meus livros aparecer na primeira página da busca).  Para ler tudo isso, seriam necessários diversos anos!

Pra ser um bom profissional de vendas é necessário:

  • ter um profundo interesse em conhecer, de verdade, o problema ou o desejo do cliente – seja ele Pessoa Física ou Jurídica.
  • é necessário estudar sempre! Ter mente aberta para novas ideias e opiniões divergentes.

Quando um vendedor acha que já sabe de tudo e reclama quando é convocado para algum treinamento ou palestra, um sinal vermelho se acende: é sinal que ele já desaprendeu que o bom profissional é um eterno aprendiz.

Há sempre o que aprender e ter esta postura, sem dúvida alguma, impulsiona uma carreira para o sucesso.

Pense nisso, Luciano!

Off Topic: Santa Teresa de Portas Abertas – 2014

A foto do Bonde é só ilustrativa. Ele não está circulando  :-( (12/9/14), mas um novo exemplar pode ser apreciado no Largo do Curvelo.

Hoje é sexta-feira e como nem só de trabalho vive o homem, me permito dar uma pausa nos assuntos empresariais para dar uma super dica de entretenimento. Todos os anos o bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, sedia o evento ‘Arte de Portas Abertas’. No evento, mais de 40 artistas plásticos abrem suas casas e ateliês para receber o público no sobe e desce das ladeiras do bairro. Isso só no roteiro oficial. No “off- Portas Abertas” são pelo menos 200 ateliês, museus, restaurantes e pontos de cultura abertos. É uma experiência super alto astral e diferente!

Todo o comércio aberto numa atmosfera única, inclusive os inúmeros museus e centros culturais! Não se assuste se ao virar uma esquina e avistar um poeta proclamando um poema ou um trio de músicos começar a tocar aquela música especial que marcou a sua vida.

Pra quem aprecia cultura em geral, este evento é uma grande festa. Santa Teresa é um dos bairros mais diferenciados e turísticos do Rio com uma população de um pouco mais de 40.000 pessoas.

O ‘Arte de Portas Abertas’ acontece neste sábado (13/9/2014) e neste domingo (14/9/2014) das 10h às 18h em Santa Teresa e a recomendação é que você vá com um tênis confortável e que não suba Santa (como carinhosamente o bairro é chamado pelos locais) de carro.  A notícia ruim é que o bonde ainda não está em funcionamento por conta de um acidente ocorrido em 2011 por pura irresponsabilidade do Governo do Estado do RJ (a irresponsabilidade, diga-se, é dupla: pelo acidente e pelo fato de não ter levado de volta, em mais de 3 anos, este patrimônio da cidade do Rio).

QUER SABER MAIS SOBRE O EVENTO “SANTA TERESA DE PORTAS ABERTAS – 2014″? O mapa com os ateliês está aqui.

Marcarei ponto na novidade de Santa: a Casa Verde – Espaço de Arte. Nela, uma tradicional família de artistas do bairro fará sua exposição e venda (Família Simões). Veja o convite e o endereço clicando aqui.

QUER SABER MAIS SOBRE O BAIRRO DE SANTA TERESA?

  • O site Carioquíssimo publicou uma galeria de fotos lindíssima sobre o bairro. Clique aqui e confira clicando aqui.
  • O curta metragem “Baseado em Sonhos Reais” conta a história dos meus amigos Fernanda Oliveira e Adil Tiscatti na criação do Cine Santa, um cinema de rua que representa a alma do bairro (já falei detalhes sobre a história empreendedora deles anteriormente, reveja aqui).

Participe! Quem sabe a gente não se encontra por lá?

Empresas perfeitas não existem

No mundo dos sonhos, uma empresa perfeita é aquela que não tem problemas, que todos os funcionários são felizes e engajados, que gera um bom lucro e que seus produtos ou serviços contribuem com a vida das pessoas.

Mas no ambiente empresarial, este mundo dos sonhos não existe. Problemas acontecem, dificuldades surgem, fiscais corruptos aparecem. Só quem conhece bem o peso de um CNPJ sabe do que estou falando.

Empresários bem sucedidos não são perfeitos, mas vivem em busca da perfeição.

Em negócios de sucesso é comum observarmos rotinas e processos bem definidos. No lugar de um monte de funcionários que fazem de tudo um pouco, a empresa possui especialistas em cada área, por mais simples e operacional que elas (as empresas) sejam.

Depois disso, estas rotinas e resultados são regidas por uma espécie de manual e monitoradas com frequência. 

Na sua empresa existe um manual de normas e procedimentos de cada cargo ou setor?

Neste manual, você precisa descrever:

  • As atividades a serem feitas por cada cargo;
  • A forma que devem ser feitas, bem detalhadas para que o funcionário não tenha dúvidas;
  • Como devem reagir em caso de problemas
  • E, acima de tudo, os motivos pelos quais os colaboradores devem acreditar no discurso do empresário.

Um manual bem feito com regras e procedimentos vai diminuir o tempo de treinamento, erros, esquecimentos e uma infinidade de pragas que destroem empresas.

Por falar em condução de empresas, vem aí mais uma edição da Imersão para Empresários. É um dia inteiro construindo ideias para acelerar os resultados de sua empresa. Tem informações aqui. 

Como reduzir a rotatividade de funcionários

Guaraci escreveu: “Olá Diego. Tenho uma pequena empresa com 25 funcionários  e estou passando por um problemão na empresa. Não consigo montar uma equipe consistente. Já tentei de tudo as estou cada vez mais desesperado, sinto que sem gente boa e comprometida posso colocar em risco tudo que construí com muito sacrifício. O que devo fazer?”

Veja o que respondi ao Guaraci. Continue lendo…

Continuar lendo

A falta de controle de estoque é um precipício empresarial

Para quem vê fora, gerenciar uma pequena empresa  - um pequeno comércio, por exemplo – parece ser algo simples e corriqueiro.

Parece, mas não é.

O pequeno empresário sempre começa nutrido por um sonho, em geral o sonho de desbravar mercados e conquistar uma condção financeira diferente daquela que ele tem até hoje. Mas precisa ser de tudo um pouco: contador, vendedor, tributarista, psicólogo…

Já falamos aqui de inúmeros problemas que envolvem a condução de um negócio. Mas existem um ponto que gera uma falsa sensação de que tudo está indo bem:  a falta de controle do estoque – especialmente quando a empresa vende produtos.

Penso que para gerir um negócio e direcioná-lo ao sucesso, o gestor deve sempre monitorar onde estão as falhas. No caso do estoque, onde estão as faltas. É muito comum um pequeno empresário se dar conta que vendeu todo o estoque de um determinado produto mas não consegue descobrir para onde foi o dinheiro.

O problema de controle de estoque é profundo e o comparo a um precipício. Se a gente não fizer nada o quanto antes, toda a margem de lucro pode estar indo embora!

O empresário que vive esta situação tem duas alternativas: continuar conduzindo a empresa baseada no estilo “deixa a vida e me levar, vida leva eu” ou pensar em mecanismos de profissionalização da gestão.

Bons sistemas de informática certamente resolvem o problema, mas carecem de algum investimento e, principalmente, muita disposição para fazê-lo acontecer.

Para quem esta quase caindo no precipício do descontrole eu posso dar uma forcinha:

Criei uma planilha em excel – super simplificada e fácil de usar. Ela faz o controle de estoque dos produtos vendidos num comércio, por exemplo.

E eu posso enviar esta planilha gratuitamente para você – seja você um atual ou futuro empresário. É só me mandar um e-mail com esta solicitação clicando aqui.

Aproveite e me adicione no Facebook clicando aqui. 

Quando falta planejamento e competência…

Olha, as  causas maiabrir uma empresas comuns que levam uma nova empresa ao fracasso é a falta de planejamento e a (ausência de) competência em gestão.

Tenho falado com frequência que o empreendedor é aquela pessoa que está disposta a assumir riscos, que foca a oportunidade e não a estabilidade.

Mas aqueles que se preparam não ficam sujeitos a aventura do improviso e ao jogo de cintura para lidar com os problemas.

Tem gente que não pensa assim, tem gente que acredita que pensar demais paralisa, planejar demais gera medo e que a atitude empreendedora é, acima de tudo, a capacidade de realização.

É verdade que a experiência prática e a intuição impulsionam um empreendedor a ter sucesso. O mix de história pessoal, de superação, de fracassos seguidos e dificuldades financeiras ensinam muito mais que qualquer banco de escola e influenciam o modo de agir, de decidir, de pensar.

Então, a pergunta que não quer calar é esta: as técnicas e ferramentas disponíveis por aí são  importantes?

Tenho convicção de que elas são fundamentais e imprescindíveis sobretudo quando o empreendedor não possui a tal intuição.

Empreendedores que dirigem negócios intuitivos e mesmo assim obtém sucesso são raros, únicos, exceções à regra.

A verdade é que todo mundo que empreende ou pensa em empreender precisa, sim das racionais e positivistas teorias e ferramentas de como se administra um negócio de sucesso.

Vêm aí a próxima edição da Imersão para Empresários no Rio de Janeiro (RJ) e em Salvador (BA). É um dia inteiro dedicado a alavancar sua empresa. Transmitimos as mekhores práticas de gestão, de vendas, de marketing, de recursos humanos. Veja mais aqui. 

Mão de obra comprometida!

Daniel Paiva escreveu falando que é fã do meu trabalho e já até participou de uma de minhas imersões.

Ele gerencia uma empresa que presta serviço na área de segurança e medicina do trabalho e está encontrando uma enorme dificuldade em recrutamento, não pela falta de interessados e sim pela qualidade deles. Daniel conta que sempre procura orientar, conversar, explicar as regras da casa.

Diz que é bastante tranquilo, mas sempre identifica falta de responsabilidade, falta postura no trabalho e falta de motivação, mesmo  deixando claro que a empresa tem uma postura de apostar naqueles que se dedicam.

Ele continua: “Aqui pode-se crescer, mas depende deles. O que faço? Fico demitindo e contratando até encontrar a pessoa certa? Ou tento treinar alguém, mesmo vendo que faltam características que deviriam vir de berço, como o ‘trato com as pessoas’ por exemplo?”

Continue lendo e veja minha resposta ao Daniel…

Continuar lendo

Discutindo a Relação: funcionário X empresa

relação empresa funcionarioUm sinal de que a relação empresa e colaborador está mal das pernas é quando o funcionário começa a tratar esta relação utilizando “eles” – para se referir a empresa e “nós” – para se referir ao grupo.

É quase que uma disputa emocional, uma disputa louca, como se estas partes fossem inimigas. Os resultados só aparecem de verdade quando os elos se encontram e todos jogam em parceria e não brigando entre si.

Estives estes dias no interior de Minas Gerais para ministrar uma palestra e fiz o que sempre faço quando chego numa cidade pequena de interior: vou ao comércio local para conversar com os empresários. É impressionante como a reclamação da falta de mão de obra ´comprometida é generalizada.

Estamos vivendo um problema terrível: o “apagão do comprometimento”. Ao mesmo tempo que temos visivelmente mais ofertas de trabalho, as pessoas trocam de emprego como se trocassem de roupa – a tal da estabilidade, tão comentada e desejada há algum tempo ficou pra trás.

Me parece que as pessoas não estão preocupadas com a criação de uma carreira sólida no longo prazo, mas, sim, em resultados aparentemente melhores no curto prazo.

Se você é funcionário, algumas ideias:

  • trate desta relação como uma coisa só: fale “nós” ao invés de “eles”.
  • esperar um elogio ou um prêmio é algo necessário quando a gente faz mais do que aquilo que somos pagos para fazer. Ou seja: quando a gente só está cumprindo aquilo que foi determinado pelo chefe e o entrega, somos recompensados com o salário normal no final do mês.
  • elogios e recompensas são práticas lindas e inspiradoras. Mas como no atletismo, só ganhamos medalha quando chegamos nas primeiras colocações. Se chegamos junto com o pelotão ou nas ultimas posições, não merecemos medalha; mesmo tendo se esforçado.
  • não tem jeito: se a empresa está indo mal, você é parte disto, independente de seu cargo ou salário.

Por outro lado, se você é empresário cabe uma reflexão: o que você está fazendo demais ou fazendo de menos para recrutar e manter sua equipe? O empresariado vive reclamando do “Apagão do comprometimento”, mas pode ser que não esteja observando os pequenos detalhes do trato com o funcionário. Por exemplo: promessas não cumpridas são, via de regra, o caminho para a rotatividade. Motivar não é prometer. Prometer não é plano de carreira. Tenho dó do gestor que promete deliberadamente sem saber se poderá cumprir.

Se você não sabe ou não gosta de “motivar”, também não desmotive. 

Dia do Corretor de Imóveis: 27/8

corretor de imoveisEu tenho a incrível oportunidade de viajar o Brasil inteiro ministrando palestras e treinamentos para os mais distintos públicos. Já palestrei para médicos, estudantes, motoristas de táxi, vendedores, representantes comerciais, empresários, gerentes…  Tive acesso a inúmeros casos de sucesso e insucesso e todos eles, de alguma forma, me ajudam a criar os temas que você ouve aqui no rádio.

Mas eu nunca vi uma categoria com tanta fibra, com tanta força de vontade, com tanta capacidade de dar a volta por cima como são os… corretores de imóveis.

São pessoas batalhadoras que sabem que esta atividade – como todas as outras profissões liberais sem vínculo empregatício – não oferece base e sustentação financeira. Mas a melhor visão é que também não há teto, não há limite.

Penso que todo cliente deveria ter um corretor de imóveis qualificado para chamar de seu, da mesma forma que, quando precisamos, consultamos o “nosso advogado” ou o “nosso cardiologista”.

E, assim como advogados ou cardiologistas, não desista até encontrar um que lhe atenda na plenitude. Você pode até ter tido algum atendimento ruim no meio do caminho, mas não desista! Certamente há um corretor especializado e preparado para lhe dar todo o suporte necessário numa transação imobiliária.

Na corretagem, como nos outros ramos, há sempre um profissional dedicado e merecedor da confiança de quem deseja comprar ou vender um imóvel.

Hoje eu falo sobre corretagem para homenagear estes profissionais, de todo o Brasil. Dia 27 de agosto comemoramos o Dia do Corretor de Imóveis. E a você, que se dedica no sol e na chuva visando realizar sonhos e objetivos dos compradores – para só depois realizar os seus – desejo muita sabedoria e que a busca por conhecimento seja sempre o seu objetivo.

Afinal, com conhecimento e dedicação a vitória pode até demorar, mas ela vem. 

As 5 bases da liderança

Os tempos de chefes brutamontes dando ordens e empregados seguindo cegamente por medo do que pode acontecer felizmente estão ficando para trás.

Para uma empresa prosperar nestes tempos de instabilidade, os líderes devem criar ambientes favoráveis ​​para que o trabalho de qualidade possa acontecer.

Isso significa aplicar um conjunto inteiramente novo de práticas de liderança que leva em conta estas novas formas de fazer negócios. Os gestores mais eficazes de hoje utilizam o que chamo de “As 5 bases da liderança”. Confere só:

1ª.  Delegar:  já que para atingir os resultados os gestores precisam das pessoas, delegue a responsabilidade e a autoridade para que façam um bom trabalho. Esta é uma função vital de liderança, uma vez que nem o melhor dos melhores do mundo não pode ter sucesso por si mesmo (o problema é quando a delegação não é feita por esquecimento, incompetência ou porque o “funcionário tá cansado”, mas isso é outra história).

2ª – Energize a equipe. Os melhores líderes são mestres em fazer as coisas acontecerem. Eles criam muito mais energia do que consomem, fazendo com que as pessoas lutem pelos objetivos coletivos.

3ª -  Comunicação. Ela é a alma de qualquer negócio, grande ou pequeno. As empresas em que os trabalhadores e gestores realmente se conectam por meio da comunicação com freqüência e honestamente são muito mais eficazes e muito mais rentável do que as empresas que não o fazem. Informação é poder e, como a velocidade dos negócios continua a acelerar, a informação deve ser comunicada em toda a organização de forma rápida e eficiente.

4ª -  Resolver os problemas: Um dos trabalhos importantes dos gestores é resolver os problemas, sem essa de responder a uma questão crítica com um “isto é com o setor tal”.

5ª – Dar Suporte. No passado, os antigos patrões davam ordem e se certificavam se elas foram cumpridas. Este não é mais o caso. Cada vez mais, os gestores estão se tornando treinadores.

Grandes líderes permitem que seus funcionários cometam erros e discordem do status quo sem medo de represálias, mesmo isto não sendo tão fácil assim.

Difícil, né? Mas a gente tem que tentar. Me adicione no Facebook clicando aqui. 

A sobrecarga tá forte?

José Carlos escreveu falando que “está sempre trabalhando, mas ainda parece que deveria fazer mais. A carga de trabalho, que é pesada, faz com que se sinta culpado quando não completa tudo que queria naquele dia, obrigando-se a trabalhar mais”.

Dolores e Carla escreveram na mesma sintonia. A primeira disse:

“Tenho trabalhado tanto e ando muito cansada  e estressada. Estou vivendo hábitos pouco saudáveis como almoçar constantemente em fast foods, beber mais do que de costume e depender de café para continuar no mesmo ritmo de entregas”.

Já Carla disse:

“Sempre tive uma postura otimista perante a vida. Mas ultimamente estou com mau humor terrível e respondendo aos colegas de maneira rude. Todas as noites, antes de dormir fico sempre pensando na montanha de trabalho que enfrentarei no dia seguinte e, claro, não conseguir pegar no sono”.

O que José Carlos, Doleres e Carla tem em comum? Eles precisam de férias!

Na correria do dia a dia, pode até parecer normal se sentir cansado com frequência. Mas não é. Quando estes sentimentos de desgastes são expostos é hora de se cuidar e recarregar as baterias.

Estar mais lento, sentir-se oprimido ou facilmente irritado são indícios de que é hora de pegar mais leve — e pensar em investir em um período de férias. Será que você está neste momento?